in

Homem Formiga e Vespa consegue agradar justamente por ser menos pretensioso.

Marvel

Mais de vinte anos se passaram desde que o primeiro longa desse ousado (e bem sucedido) projeto da Marvel ganhou as telas dos cinemas mundo afora. E com a sequencia de filmes e fases, o telespectador se acostumou com um escalonamento contínuo da ação, drama e poder dos personagens nas telas.

Essa subida de temperatura se manteve até o épico Guerra Infinita, o qual está em seu interlúdio para término em 2019. E justamente após essa epopeia de dimensões continentais que segue o diminuto Homem Formiga e Vespa; e claramente tal não se deu por acaso.

Ausente de Guerra Infinita, o Homem Formiga ainda está lidando com os acontecimentos de sua insurgência contra os acordos de Sokovia na Alemanha, auxiliando o “Team Cap” a derrotar o “Team Iron”, sendo explicado o que ocorre com o personagem após a marcante batalha do aeroporto.

O primeiro ponto interessante disso é ver que os Acordos de Sokovia têm, sim, poder; e uma aplicação diferente para heróis diferentes. Os pesos e medidas diferentes aplicados aos diferentes status de heroísmo continuam a manter a segregação que se vê em Guerra Civil.

Em segundo lugar, vale notar que o diminuto herói serve de contraponto à tudo aquilo que acontecia no mundo (e fora dele) durante a invasão de Thanos e sua busca pelas Jóias do Infinito, pois o mundo não deixou de girar até os atos finais do Titã Louco, e pessoas continuavam nas suas batalhas diárias.

No caso, a batalha de Scott Lang é viver com as consequências de suas ações em Guerra Civil, e diante disso tentar equilibrar sua vida familiar e afetiva – afinal somente para Clark Kent que esse equilíbrio é tranquilo. Essa luta doméstica é um refresco para os ânimos exaltados e exaustos após a batalha de Wakanda e aquela estalada de dedos. Esse é, sem dúvida, o maior propósito do filme.

Já o enredo, com seus vilões e heróis, segue bem balanceado e traz algo que tem feito um relativo sucesso no Universo Cinematográfico da Marvel desde a Guerra Civil: a relativização do bem e do mal. Afinal, Scott Lang não roubou e violou uma Lei Federal? Então por que não pode haver bondade e humanidade no antagonista?

Isso deixa os filmes menos fantasiosos e mais reais, apesar dos poderes. Tudo com aquela esperada dose de humor, é claro. Bons atores, já conhecidos, com os ótimos reforços de Laurence Fishburne e Michele Pfeiffer, mantém o ritmo sem tropeços.

Verdade seja dita: que o tal do reino quântico, o qual seria uma das chaves para derrotar Thanos, continua meio estranho e misterioso; e o próprio protagonista pergunta se eles precisam usar esse nome na frente de cada frase.

Talvez Tom Holland, o atual Homem Aranha esteja certo, e somente o Dr. Estranho consiga explicar o que está rolando; e não à toa o reino quântico parece muito como as viagens interdimensionais de Stephen Strange. E não é que, no final, após a cena pós créditos, o filme se junta a Guerra Infinita, ainda que não dependa dele pra nada? E que venha a Capitã Marvel.

Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem. Críticas, dúvidas e sugestões: falecomobene@gmail.com

Next post

Tico Santa Cruz é detonado pelo irmão no Instagram e motivo surpreende: “abram os olhos”

Rouge lança ‘EP 5’ com faixas inéditas e novidades que devem surpreender