in

Riverdale tem segunda temporada com pouca identidade

CW
Publicidade

Iluminado pelas brilhantes cores Neon que marcam a identidade visual da série, a segunda temporada de Riverdale tenta ser ‘mais’: mais longa, mais chamativa e mais impactante. Conseguiu ser mais longa e mais enfadonha, quase duas temporadas em uma. Tudo começa no último episódio da primeira temporada, quando um importante personagem é baleado na icônica lanchonete do Pop por um homem de capuz preto. Tem início a saga do capuz preto. 

O arco narrativo do capuz preto é interessante e divertido, e fornece aquele elemento Scooby-doo que dá todo um toque especial à série, permitindo ao quarteto protagonista seguir pistas, meter-se onde não é chamado e, em algum momento, até mesmo pegar o vilão. Mas não se pode esquecer que a maldição da segunda temporada é mais forte que a maldição da família Blossom, e Riverdale não está imune.

Publicidade

Ainda que a maioria das coisas boas tenha sido mantida, como a trilha sonora, iluminação, cenografia e uma boa direção e produção de cenas, o enredo e narrativa sofrem uma brusca queda de qualidade e se perdem em arcos fúteis, com descaracterização de personagens.

Quem mais sofre com isso é o protagonista da série, que após conseguir a simpatia na primeira temporada, transforma-se em um personagem absolutamente bobo, manipulável e irritante. O envolvimento de Archie em questões políticas descaracteriza os personagens e esgota a simpatia acumulada, tornando insuportável.

Publicidade

Algo parecido acontece com Verônica, que deixa de ter aquele jeito apimentado do bem e passa a ser só uma tentativa de sacana manipuladora, o que torna o casal detestável, e não do tipo de vilão que se gosta de odiar. Até a Cheryl, a louca ruiva, é mais legal que o casal de protagonistas. Isso deixa a bomba toda para Jughead e Betty, que por sorte conseguem segurar bem a peteca e existem desenvolvimentos interessantes para os Serpentes, bem como alguns novos personagens interessantes como, Tony Topaz, a serpente ruiva. 

Em um primeiro momento, o problema da segunda temporada de Riverdale seria a sua tentativa de ser uma série de política ou mafiosos, mas vai além disso. É a falta de definição da identidade que prejudica a primeira série, que claramente pode ser dividida em duas: uma primeira metade boa, e a segunda metade esquizofrênica, chegando ao ponto de tentar imitar Glee em um sofrível episódio pseudo-musical. 

Resumindo, vale ser vista essa segunda temporada, mas com ressalvas, pois ainda que fosse série teen, conseguia agradar um público 20+. Contudo, se permanecer nessa falta de identidade em seu terceiro ato, pode acabar perdendo boa parte de seu cativo público.

Publicidade
Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem. Críticas, dúvidas e sugestões: falecomobene@gmail.com

Next post

MAMA 2018 anuncia indicados e abre a votação na internet

Nasce uma Estrela é de longe um dos melhores filmes do ano e forte concorrente ao Oscar