in

Resumo Bela, a Feia (07/10): Dinho revela seu amor por Valentina

RecordTV
Publicidade

Em Bela, a Feia, no capítulo de segunda-feira, 7 de outubro, no ar pela RecordTV, Dinho confessa paixão por Valentina.

Ainda neste capítulo, após verificar se Adriano está morto, Ataulfo volta a procurar o pendrive. Triste, Guto tenta ignorar às provocações de Bárbara. Assim que consegue encontrar o pendrive, Ataulfo vai embora.

Publicidade

Luzia e Hortência dão os parabéns para Clemente, após saberem que ele ganhou um contrato com a gravadora. Em seguida, Clemente pede Hortência em casamento. Enquanto isso, a faxineira entra no apartamento de Adriano, levando um choque ao encontrar o empresário morto. Olga lamenta não poder passar mais tempo com Eulália, que está sempre ocupada.

Dinho faz confissão inesperada

Márcia e Douglas realizam uma investigação para saber a causa da morte de Adriano. Dinho revela amar Valentina. Bárbara joga seu charme para cima de Clemente. Todos na Mais Brasil são comunicados do assassinato de Adriano.

Publicidade

Ao saber que o irmão está morto, Guto chora compulsivamente. Clemente ganha parabéns de Rodrigo, que lhe cumprimenta pelo casamento com Hortência. Ricardo fica incrédulo com a morte de seu sobrinho.

Dinho, Ataulfo e Verônica comemoram sucesso do plano

Cíntia fica perplexa ao ser avisada da morte de seu amante. Márcia e Douglas recebem o pendrive das mãos de Bela e Rodrigo. Em seguida, Bela descobre a senha, mas não consegue desmascarar Adriano, pois a conta está vazia.

Juntos, Dinho, Verônica e Ataulfo comemora a morte de Adriano, além da transferência do dinheiro para suas contas. Douglas garante que vai colocar Verônica na cadeia.

Publicidade
Avatar

Escrito por Rômulo NC

Ator, youtuber e redator, Rômulo N.C é formado pela casa de artes cênicas Recriarte e sempre atuou como escritor de diversos sites.

Next post

Testemunhas de Jeová tentam converter fãs de Anitta no Rock in Rio e proíbem festivais

Resumo Caminhos do Coração (07/10): Helga inocenta Maria ao revelar assassino de Sócrates