in

Brinquedo Assassino volta repaginado e atualizado para a internet das coisas

Universal
Publicidade

Ao longo dos anos, o mito de Chucky, o Brinquedo Assassino, de 1988, foi tendo diversas releituras, continuações e derivados. Sempre usando e abusando da mesma premissa abracadabra que prendia um demônio ao corpo do inocente boneco.

E ainda que alguma coisa tenha se salvado ao longo do caminho, ninguém queria mais saber de tanta volta em torno do mesmo enredo, razão pela qual o novo Brinquedo Assassino, do diretor Lars Klevberg, foi recebido com grande dose de descrença pelo público. Mas não deveria. 

Publicidade

A Universal comprou a nova visão do cineasta quase estreante, que trocou a origem sobrenatural da versão original por uma origem tecnológica. Agora Chucky passa a ser um produto da inteligência artificial, produzido em condições precárias em países subdesenvolvidos antes de ser vendido a preço de ouro nos Estados Unidos (qualquer relação com a realidade é mera coincidência), e que por questões humanas tem seus protocolos de segurança desativados. E fica fácil ver a trama se desenrolando dentro daquilo que já se espera. 

O interessante é notar que a atualização mostrou o quanto estava datada a obra original, e atraiu o público para uma percepção que norteia o imaginário popular, das máquinas se voltando contra os homens, que permeiam a sétima arte desde sempre. Sem precisar ser um T1000, um Chucky já vale uma atenção especial, vez que é muito mais crível um pequeno robô amigo das crianças com “learning machine” e uma certa curadoria de casa, do que um exterminador que viaja no tempo. Nem precisa de Black Mirror para imaginar isso. 

Publicidade

Outro ponto de destaque são as atuações, boas para o que se pretende o filme, com um destaque que vai passar desapercebido por muitos.

A voz de Chucky é de Mark Hammil, eterno Luke Skywalker e dublador do Coringa em animações do Batman, o que dá um toque especial ao longa. Longe de ser uma obra prima, o remake resgata a história do brinquedo do mal e cumpre a função de assustar e entreter.   

Publicidade
Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem. Críticas, dúvidas e sugestões: falecomobene@gmail.com

Next post

Éramos Seis (Globo): Amanda deixa Carlos encantado por ela

Bom Sucesso (Globo): Paloma tem surpreendente reação ao saber que Nana traiu Diogo