in

Balanço da primeira parte de Crise nas Infinitas Terras

Warner
Publicidade

Passados os três primeiros capítulos de Crise nas Infinitas Terras, existe um balanço meio equilibrado de tudo que aconteceu nessa primeira metade, visto que 2020 trará os dois capítulos finais a serem exibidos no mesmo dia em DC Legends of Tomorrow e Arrow. Não à toa, as duas séries que devem ser mais impactadas com os acontecimentos tidos em Crise nas Infinitas Terras.  

O ponto positivo do saldo seria no sentido de harmonização. O telespectador, seja dos seriados ou dos filmes, acostumou-se a ver diversos atores performando papéis iguais ou similares ao mesmo tempo, em mundos que existem simultaneamente nos quadrinhos, mas que nem sempre se falavam nas telas. O Arrowverse, como ficou sendo chamado o mundo das séries derivadas do Arqueiro Verde, trouxe uma conexão entre alguns desses personagens, deixando outros de fora.

Se Arqueiro, Flash, Supergirl e os heróis de Legends compartilhavam um universo,  os Titãs, o jovem Bruce Wayne de Gotham, Raio Negro, e Lucifer, habitam outros universos. E tudo que se passava nos cinemas então, nem se fala. E isso foi explicado quando se mostra o universo 66 (ano da série de TV do Batman), o universo 89 (do filme de Tim Burton), universo 90 (do outro Flash),  universo 666 (Lucifer), e por aí vai. OU seja, pode existir um Flash e um Superman e um Batman de cada ator, e está tudo bem. Ou não, dependendo do final da Crise. 

Publicidade
Publicidade

Já o ponto negativo é a narrativa. Fica a impressão que ela ficou em segundo plano. Especialmente no segundo ato, sendo recuperada de leve no terceiro. Parece que o foco foi trazer o maior número possível de personagens e referências, independente da importância para a história em geral. Tipo o uso do Superman de Smallville – totalmente sem propósito narrativo, diferente do Lúcifer, que foi um fio condutor na história e que conversa, ainda que de modo transverso, com a história original dos quadrinhos. Crise não é uma história fácil de entender, e nem trazendo o roteirista original, Marv Wolfman, a DC Warner está conseguindo fazer isso, nem com a liberdade que a transposição de mídia oferece. 

Sobraram aí dois atos para explicar exatamente de onde vem Monitor e seu nêmeses, quem vive e quem morre, e qual(is) Terra(s) vão sobrar após o final do evento. E quais séries e heróis, aliás, e se haverá integração cinema-TV ou se seguirão, como é provável, separados. Em resumo, a pergunta que fica ao final da primeira parte de Crise é se será oferecida uma boa história ou se somente será feito um serviço para agradar os fãs, entregando algo que em pouco tempo será esquecido, diferente dos resultados obtidos pela Marvel e que a DC parece teimar em tentar replicar sem nenhum sucesso.

Publicidade
Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.

Next post

Maurício Mattar passa por cirurgia e estado de saúde é revelado; ator sofreu um infarto

As Aventuras de Poliana: Gleyce encontra casa revirada, ficando em desespero total