Connect with us

FILMES E SÉRIES

Grey’s Anatomy: Krista fala sobre possível novo relacionamento de Meredith Grey

Após boatos a respeito de uma possível nova paixão de Meredith Grey, showrunner esclarece tudo.

Publicado

em

Os amantes da série americana Grey’s Anatomy já tem conhecimento que a 15º temporada está sendo de decisão na vida amorosa de Meredith Grey (Ellen Pompeo).

Fortes emoções e relacionamentos nesta 15º de Grey’s Anatomy

Já foi prometido pela showrunner um novo ‘mozão’ e até mesmo um triângulo amoroso. Sendo assim, acabaram surgindo várias teorias por aí, inclusive, de que a personagem de Ellen teria um relacionamento com com Dr. Thomas Koracick (Greg Germann). Será?!

É claro que a vida amorosa de Meredith interessa muito para os amantes da serie, a loira conseguiu conquistar o coração de muitas pessoas ao longo das temporadas e, sendo assim, a showrunner da série, Krista Vernoff, prometeu muitas surpresas na vida amorosa da personagem.  Parece que nesta temporada,  Krista resolveu colocar tudo em pratos limpos sobre um possível relacionamento entre Meredith e o Dr. Thomas Koracick (Greg Germann).  

Koracick nunca esteve na ‘disputa’ por Meredith

De acordo com Krista, em entrevista ao TV Line, um caso entre esses personagens jamais foi uma possibilidade como as pessoas estavam pensando. 

Na minha opinião, Koracick nunca esteve na ‘disputa’ por Meredith“, explicou. Mesmo que eles sejam amigos de trabalho, não possuem aquela química, segundo Vernoff.  

Eles realmente amam trabalhar juntos; talvez você esteja vendo por esse lado. Greg é um ator tão maravilhoso, e eles se divertem muito trabalhando juntos. Mas [a química] não foi roteirizada ou intencional“.  

E quanto ao triângulo amoroso? 

Ainda em entrevista ao TV Line, a showrunner revelou que na segunda parte da 15ª temporada, Meredith irá mais fundo na relação com DeLuca (Giacomo Gianniotti) e Link (Chris Carmack). “Meredith irá se aproximar de DeLuca no episódio 9 e conhecerá melhor Link no episódio 10“, disse.  

A 15ª temporada de Grey’s Anatomy estará de volta em 17 de janeiro de 2019, nos Estados Unidos.

Olá, seja bem vindo! Meu nome é Atila da Silva e sou redator do TVPrime e 1News com muito orgulho. Escrevo sobre diversos temas como: TV&Famosos, Política, Novelas, Reality Show e muito mais!. Meu objetivo é informar e entreter com responsabilidade e veracidade sempre utilizando de fontes seguras. Espero que goste das minhas matérias e tenha uma ótima leitura!

FILMES E SÉRIES

‘Operação Fronteira’ é uma tentativa frustrada de um bom filme

Lançamento de guerra da Netflix fica devendo apesar do elenco estrelado.

Publicado

em

Por

Operação Fronteira‘ é um filme de guerra diferente, muito mais focado nos efeitos da guerra do que na guerra em si. No novo lançamento da Netflix, um grupo de amigos formados na guerra e reinseridos na sociedade se reúne a fim de cometer um ato criminoso contra um chefe do narcotráfico na América do Sul e com isso enriquecer e fazer justiça. Ou ao menos é isso com o que eles concordam. 

Estrelas

Recheado de estrelas como Oscar Isaac, Ben Affleck, Pedro Pascal e Charlie Hunnam, Operação Fronteira parece trazer à discussão temas como mérito, valor próprio, legado, companheirismo e honra. Ainda que movidos por objetivos comuns, no final do dia todos os homens tem seus sonhos, suas limitações e suas carências, e situações extremadas como a Guerra podem trazer tanto o melhor quanto o pior de cada um.  

A presença ou ausência de uma bússola moral é o que acaba fazendo a diferença nas escolhas individuais, e as consequências dessas escolhas se fazem sentir ao longo do filme. Como soldados de elite voltam pra casa pra terem baixos salários e vidas comuns depois de decidirem guerras e influenciarem países? Alguns se mantém acreditando na missão e no bem maior do que fazem, outros na vocação e seu valor e outros simplesmente não pensam. Mas a todos o poder contagia e sua ausência os castiga.  

Introspectivo

No fim, um filme mais introspectivo do que barulhento, Operação Fronteira acaba por tratar de diversos temas, sem se propor a resolver nenhum deles, deixando o filme com um sentimento de inacabado ao seu final, não sendo nem um espetáculo, nem tampouco um filme ruim, e certamente dividirá opiniões.

Continue lendo

FILMES E SÉRIES

As Viúvas promete ser um filme que acaba por decepcionar

Ambicioso e promissor, filme peca com ritmo moroso e narrativa pouco inspirada

Publicado

em

Por

Promissor, esse longa de Steve McQueen se propõe a lançar um novo olhar sobre os filmes de criminosos. O que acontece com quem fica para trás? Muito se fala sobre os criminosos em sí, mas quase nada sobre as famílias, esposas e filhos, que são o foco desse filme. Quatro criminosos morrem em um assalto que dá errado, e deixam pontas soltas para trás, cabendo às suas antigas companheiras decidir o que fazer, afinal de contas nem sempre a morte é o ponto final. 

Recheado de um elenco extremamente qualificado, o filme conta com Viola Davis no papel principal, como sobrevivente à Liam Neesson, além de Michele Rodriguez, Elizabeth Debicki, Colin Farrel, e o cada vez mais versátil e surpreendente Daniel Kaluuya, Robert Duvall e Jon Bernthal. Ao encontrar esse elenco, a expectativa do expectador fica grande, afinal é uma coleção de indicações e performances de destaque, mas infelizmente o grande filme fica na promessa. 

A estrutura do filme é correta, e faz sentido como o mesmo é montado. Mas seu ritmo é lento, arrastado, com muito foco nas narrativas prévias, deixando de lado a ação, e misturando arcos narrativos familiares, criminais e políticos. É muito arco narrativo para pouco tempo de tela.

E assim, o excesso de bons atores não se reflete em boas atuações, sendo alguns deles totalmente subaproveitados, como Jon Bernthal, que aparece em uma cena. Já Michele Rodriguez parece exatamente a mesma em todo filme, sejam alienígenas, carros velozes ou criminosos.  

Não é um filme ruim, mas tampouco é um filme excelente. Algo entre ok e bom, passa o tempo, mas claramente podia ser bem melhor, não só pelo elenco mas pela premissa adotada. Pena que o enredo não ajudou e o filme acaba brilhando mais em seu trailer do que em sua projeção.

Continue lendo

FILMES E SÉRIES

‘Green Book: O Guia’ trata sobre racismo com sutileza e classe

Vencedor do Oscar de melhor fillme, longa vence polêmicas em ano de premios divididos.

Publicado

em

Por

O racismo é um tema complicado: pesado e delicado ao mesmo tempo, e saber usar ele como mote de uma boa história não é missão para qualquer um. Coube ao experiente Peter Farrely, conhecido por suas comédias, mas hábil para tratar de temas complicados, a árdua missão.

Adaptando aos cinemas a história verídica do pianista negro Don Shirley e de seu motorista/segurança Tony Lip. A história mostra Don Shirley, que em plena década de 60, resolve se expor, levando toda sua virtuose dos pianos até o sul racista norte-americano, e para isso precisa de alguém que saiba transitar entre brancos intolerantes. A solução dele foi ter um imigrante de italiano metido com jogatina e com seus próprios preconceitos para lhe ajudar com a missão.   

Interpretado por Mahershala Ali, o pianista Don Sherley é um músico virtuoso e tudo que se espera de um homem culto e muito bem formado: fala diversos idiomas, conhece a cultura do mundo, tendo viajado por ele, e tem os melhores modos em todos os círculos sociais. O exato oposto de Tony Lip, em brilhante atuação de Viggo Mortensen, pobre, sempre envolvido em esquemas e pequenos delitos, vítima e opressor dos preconceitos sociais.

Detalhe: Tony é branco e Don Sherley é negro. Essa oposição absoluta de ambos os personagens é a base de toda a dinâmica do filme, que poderia ter dado muito certo ou muito errado. Deu muito certo.   

A viagem de ambos é guiada, ou ao menos auxiliada, por um livrinho verde, não à toa chamado de Green Book, que dá nome ao filme. Era um guia de “portos seguros” para negros transitarem pelo sul dos Estados Unidos, com indicação de hotéis, restaurantes e até estradas seguras para negros.

Pouco a pouco, as gritantes diferenças entre o negro erudito e o branco preconceituoso além de se tornarem absurdamente óbvias, passam a refletir o cenário geográfico e social enfrentado pela dupla. De pequenos atos, como não fornecer o instrumento ou as condições necessárias para a performance do músico, até os abusos mais físicos ou psicológicos.

Mas essa transição, é feita de forma sutil e delicada, até que se torne insustentável. É como a água que ferve aos poucos e acaba matando o animal dentro da panela, mas no longa é a alma que sofre. Essa é a parte dramática do filme, muito comparado à Conduzindo Miss Daisy e por outros mais atuais, como os Intocáveis (dos amigos, não dos gangsters).  

A direção é conduzida com algumas doses de comédia que ajudam a temperar o drama, criando deliciosas cenas como a cena do frango frito em Kentucky. Essa mistura foi tão bem feita que o filme foi considerado drama/comédia.

Muito bem recebido pela crítica, o filme teve uma boa dose de polêmicas durante sua trajetória, mas nada que não tenha sido relevado pela academia de cinema, uma vez que premiou o longa com o Oscar de melhor filme, em um ano que teve uma grande dispersão de prêmios. O curioso fato que é Mahershala Ali atuou no melhor filme e melhor animação, um verdadeiro pé quente.  

O filme é espetacular e muito melhor que os últimos ganhadores do mesmo prêmio, contudo parece que falta algo. As atuações principais são dignas de notas altas e um show à parte. A música e a fotografia mostram a qualidade da produção, e uma história que merecidamente precisava ser contada e consegue contextualizar com sutileza quão antiga é a questão de conflito racial para os americanos. Em um ano de muitos concorrentes com chances, a academia parece ter escolhido o filme que tocava mais fundo nos americanos e ao mesmo tempo o que trabalhava uma questão universal.

Continue lendo

Em Alta!

Copyright © 2018 | TV Prime | Um site do grupo i7 Network