in

João Augusto, filho mais velho de Gugu, ficou sozinho com as irmãs nos Estados Unidos

Instagram João Augusto
Publicidade

João Augusto Liberato, o filho mais velho do apresentador Gugu, não teve um bom final de ano. Em novembro, seu pai, de 60 anos, sofreu um acidente doméstico ao cair de uma altura de quatro metros e morreu.

Como Gugu estava em Orlando, na Flórida, quando tudo aconteceu, coube ao filho de 18 anos assinar todos os documentos da morte do apresentador, como o desligamento dos aparelhos, a doação de órgãos e o traslado do corpo para o Brasil.

No velório e enterro, João Augusto roubou a cena e fez questão de estar sempre próximo do caixão, onde estava o corpo do pai. O garoto passou a ser amado pelos brasileiros.

Publicidade
Publicidade

João Augusto ficou com 25% da herança

João Augusto e as irmãs, Sofia e Marina, ficaram com 25% da herança de Gugu, cada um. Os outros 25% serão divididos de forma igual aos cinco sobrinhos do apresentador.

Gugu não incluiu Rose Miriam Di Matteo, mãe de seus filhos, no testamento. Ela afirmou que entrará na Justiça para ser inventariante e ser reconhecida como esposa de Gugu.

Rose Miriam teria deixado os filhos sozinhos em Orlando

A briga pela herança de Gugu fez com que irmãos e mãe do apresentador divulgassem uma nota. No texto, afirmam que Rose Miriam viajou dos Estados Unidos para o Brasil no dia 16 de dezembro e não comunicou os filhos.

Neste caso, João Augusto e as irmãs não sabiam o paradeiro da mãe. Apenas um funcionário teria sido informado sobre a viagem, por meio de uma mensagem enviada pelo WhatsApp.

A disputa envolvendo a herança de Gugu deve ter muitos outros episódios nas próximas semanas.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Testamento de Gugu Liberato pode ser anulado, e Rose Miriam prejudicar próprios filhos

Vidente Rodrigo Tudor faz previsões para 2020 e não poupa Lula, nem Bolsonaro