in

Globo de Ouro segue Oscar em politização e recado à streamings

NBC
Publicidade

Se o Oscar perdeu muito da credibilidade em 1999, com o Escândalo da Miramax, no qual chegou ao conhecimento público o lobby massivo da produtora cinematográfica para influenciar na escolha das principais premiações, laureando obras de menor expressão como Shakespere apaixonado, tudo indica que o Globo de Ouro vai seguir um caminho parecido, privilegiando o lobby do cinema à maciça entrada do streaming na competição, visto que grandes obras foram totalmente deixadas de fora dos prêmios, sem qualquer sentido: 

Melhor filme ficou com 1917, mais um drama de guerra, ao invés de histórias reais como Dois Papas ou História de um Casamento, ou mesmo o excelente Irlandês. O que esses concorrentes tem em comum? Todos são da Netflix. 

Melhor ator ficou com Joaquim Phoenix, por Coringa. Merecido, ainda que concorresse contra excelentes atores. 

Publicidade
Publicidade

Melhor filme musical ou comédia: Era uma Vez em Hollywood. Não é musical, nem é comédia. Mal é um filme. Sentido nenhum a não ser incensar um diretor sem inspiração. 

Melhor ator em filme musical ou comédia: Taron Egerton levou merecidamente por seu envolvente Rocketman (que aliás deveria ter levado melhor filme musical). 

Melhor ator coadjuvante em filmes: Brad Pitt, uma vez mais inexplicável, especialmente tendo em vista as marcantes atuações dos concorrentes contra a apagada atuação do antigo grande astro. 

Melhor animação foi para Link Perdido, mostrando que realmente a Disney/Pixar está sem rumo. 

Melhor roteiro para filme: a piada da vez, Once Upon a Time in Hollywood. Absolutamente ridículo premiar o roteiro que parece um devaneio sob efeito de drogas recreativas sobre um fato real, especialmente diante do roteiro fantástico de Dois Papas e do Irlandês.  

Melhor ator para série de TV: Stelan Skaarsgard, merecidamente por uma incrível atuação em Chernobyl, que também levou melhor mini-série para TV. Ao lado de Joaquim Phoenix e e Taron Egerton, os únicos prêmios que fizeram algum sentido. 

Em resumo, especialmente diante dos comentários de Rick Gervais sobre a não politização do evento, o que faz todo sentido e que foi totalmente ignorado, mostra que o Globo de Ouro, até então um evento que conseguia ter um mínimo de coerência cinematográfica e artística, resolveu trilhar os mesmos rumos de lobby do Oscar e premiar o velho e datado, ao invés de acompanhar as mudanças que já alteraram a forma do mundo de consumir o produto criado pelos irmãos Lumiere. E assim, mais um prêmio para perder força e representatividade.

Publicidade
Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.

Next post

Padre Fábio de Melo cria polêmica ao falar do Papa Francisco

Fátima Bernardes é alvo da Polícia Federal, após grave acusação