Connect with us

FILMES E SÉRIES

Game of Thrones, temporada 8: 3 detalhes do teaser que dão pistas sobre fim épico

Todo fã de Game of Thrones precisa estar atento a esses detalhes no teaser da última temporada de GOT.

Publicado

em

Claro que a HBO iria trazer algumas pistas no teaser da última temporada de Game of Thrones. E se você deixou passar algum detalhe importante, aqui você pode encontrar aquela informação que faltava para sua teoria sobre o final de GOT.

Confira as pistas importantes que o teaser de GOT transmitiu, cuidadosamente, para o público da série! 

O final de Sansa em Game of Thrones

Levando em conta que os Stark se deparam com suas estátuas fúnebres, Sansa aparece emoldurada pelos ‘irmãos’, o que sugere que ela estará ao lado da família até o fim. E quando a explosão gelada do Rei da Noite entra na cripta, Jon e Arya se preparam para a luta à frente da ruiva, sugerindo que estão protegendo Sansa, que ficou para trás.

É possível imaginar que a ruiva não tem uma espada, já que não tem o mesmo treinamento para o combate de Jon e Arya. Contudo, os dois guerreiros podem estar defendendo mais que sua irmã… Por que não? Defendendo a Rainha do Norte.

Sansa já demonstrou sua capacidade e vontade de governar; enquanto Jon sempre deixa claro que não tem qualquer desejo de subir ao trono. Então, o final da oitava temporada pode consagrar a ascensão ao poder da ruiva! Afinal, após a guerra contra os caminhantes brancos e contra Cersei, uma nova divisão de território pode surgir em GOT, e o Norte deve recuperar sua independência.

Momento da morte de Jon, Sansa e Arya
no final de GOT

Mesmo não sendo um retrato fiel, as estátuas dos Stark podem ser uma pista sobre quando os personagens devem morrer. Olhando atentamente, a estátua de Jon o mostra mais velho, com um rosto maduro, o que pode ser um sinal de que ele sobreviverá à temporada 8 de Game of Thrones e será enterrado na cripta vários anos depois.

Em compensação, a estátua de Arya é mais parecida com a jovem atualmente. Ela até tem sua espada Needle na mão e, se esta obra reflete a idade em que Arya vai morrer, as imagens são bastante perturbadoras. Também, vale lembrar que todos os Stark podem ter seu túmulo na cripta, mas apenas os reis do norte e os senhores de Winterfell têm uma estátua. A exceção pode acontecer ao morrer no campo de batalha … Será esse o final de Arya?

Já a estátua de Sansa tem mais mistérios do que revelações. A cuja idade da pessoa retratada é muito difícil de distinguir, pode estar próxima ou distante daquele momento. Também, pelas roupas, não é possível cravar que morrerá como uma Rainha do Norte. Mas, levando em conta que ela dificilmente morrerá no campo de batalha, fica a pista de que, em algum momento, ela realmente assumirá algum cargo de verdadeiro poder que a faça merecer a estátua.

Pena de Lyanna

A pena da cripta Stark não é desconhecida dos fãs de Game of Thrones. Ela foi vista na primeira temporada, quando Robert Baratheon a coloca nas mãos da estátua de Lyanna e conta para o público sobre o seu suposto sequestro por Rhaegar Targaryen.

Então, como as origens de Jon estarão no centro da 8ª temporada de Game of Thrones, a caneta poderia simbolizar a inocência de Lyanna ao longo da história e o mito do sequestro caindo ao chão com a verdade vindo à tona. Quanto ao fato de que ela congela com a chegada do Rei da Noite, pode ser uma pista de perigo real para Jon.

Jornalista por formação e vocação. Apaixonada pelos desafios da escrita e pelo aprendizado diário do Português. Na caminhada da Comunicação desde 2004, ainda tem muito o que viver nessa profissão que "quem conhece, não esquece jamais" (sim, sou mineira!).

FILMES E SÉRIES

‘Operação Fronteira’ é uma tentativa frustrada de um bom filme

Lançamento de guerra da Netflix fica devendo apesar do elenco estrelado.

Publicado

em

Por

Operação Fronteira‘ é um filme de guerra diferente, muito mais focado nos efeitos da guerra do que na guerra em si. No novo lançamento da Netflix, um grupo de amigos formados na guerra e reinseridos na sociedade se reúne a fim de cometer um ato criminoso contra um chefe do narcotráfico na América do Sul e com isso enriquecer e fazer justiça. Ou ao menos é isso com o que eles concordam. 

Estrelas

Recheado de estrelas como Oscar Isaac, Ben Affleck, Pedro Pascal e Charlie Hunnam, Operação Fronteira parece trazer à discussão temas como mérito, valor próprio, legado, companheirismo e honra. Ainda que movidos por objetivos comuns, no final do dia todos os homens tem seus sonhos, suas limitações e suas carências, e situações extremadas como a Guerra podem trazer tanto o melhor quanto o pior de cada um.  

A presença ou ausência de uma bússola moral é o que acaba fazendo a diferença nas escolhas individuais, e as consequências dessas escolhas se fazem sentir ao longo do filme. Como soldados de elite voltam pra casa pra terem baixos salários e vidas comuns depois de decidirem guerras e influenciarem países? Alguns se mantém acreditando na missão e no bem maior do que fazem, outros na vocação e seu valor e outros simplesmente não pensam. Mas a todos o poder contagia e sua ausência os castiga.  

Introspectivo

No fim, um filme mais introspectivo do que barulhento, Operação Fronteira acaba por tratar de diversos temas, sem se propor a resolver nenhum deles, deixando o filme com um sentimento de inacabado ao seu final, não sendo nem um espetáculo, nem tampouco um filme ruim, e certamente dividirá opiniões.

Continue lendo

FILMES E SÉRIES

As Viúvas promete ser um filme que acaba por decepcionar

Ambicioso e promissor, filme peca com ritmo moroso e narrativa pouco inspirada

Publicado

em

Por

Promissor, esse longa de Steve McQueen se propõe a lançar um novo olhar sobre os filmes de criminosos. O que acontece com quem fica para trás? Muito se fala sobre os criminosos em sí, mas quase nada sobre as famílias, esposas e filhos, que são o foco desse filme. Quatro criminosos morrem em um assalto que dá errado, e deixam pontas soltas para trás, cabendo às suas antigas companheiras decidir o que fazer, afinal de contas nem sempre a morte é o ponto final. 

Recheado de um elenco extremamente qualificado, o filme conta com Viola Davis no papel principal, como sobrevivente à Liam Neesson, além de Michele Rodriguez, Elizabeth Debicki, Colin Farrel, e o cada vez mais versátil e surpreendente Daniel Kaluuya, Robert Duvall e Jon Bernthal. Ao encontrar esse elenco, a expectativa do expectador fica grande, afinal é uma coleção de indicações e performances de destaque, mas infelizmente o grande filme fica na promessa. 

A estrutura do filme é correta, e faz sentido como o mesmo é montado. Mas seu ritmo é lento, arrastado, com muito foco nas narrativas prévias, deixando de lado a ação, e misturando arcos narrativos familiares, criminais e políticos. É muito arco narrativo para pouco tempo de tela.

E assim, o excesso de bons atores não se reflete em boas atuações, sendo alguns deles totalmente subaproveitados, como Jon Bernthal, que aparece em uma cena. Já Michele Rodriguez parece exatamente a mesma em todo filme, sejam alienígenas, carros velozes ou criminosos.  

Não é um filme ruim, mas tampouco é um filme excelente. Algo entre ok e bom, passa o tempo, mas claramente podia ser bem melhor, não só pelo elenco mas pela premissa adotada. Pena que o enredo não ajudou e o filme acaba brilhando mais em seu trailer do que em sua projeção.

Continue lendo

FILMES E SÉRIES

‘Green Book: O Guia’ trata sobre racismo com sutileza e classe

Vencedor do Oscar de melhor fillme, longa vence polêmicas em ano de premios divididos.

Publicado

em

Por

O racismo é um tema complicado: pesado e delicado ao mesmo tempo, e saber usar ele como mote de uma boa história não é missão para qualquer um. Coube ao experiente Peter Farrely, conhecido por suas comédias, mas hábil para tratar de temas complicados, a árdua missão.

Adaptando aos cinemas a história verídica do pianista negro Don Shirley e de seu motorista/segurança Tony Lip. A história mostra Don Shirley, que em plena década de 60, resolve se expor, levando toda sua virtuose dos pianos até o sul racista norte-americano, e para isso precisa de alguém que saiba transitar entre brancos intolerantes. A solução dele foi ter um imigrante de italiano metido com jogatina e com seus próprios preconceitos para lhe ajudar com a missão.   

Interpretado por Mahershala Ali, o pianista Don Sherley é um músico virtuoso e tudo que se espera de um homem culto e muito bem formado: fala diversos idiomas, conhece a cultura do mundo, tendo viajado por ele, e tem os melhores modos em todos os círculos sociais. O exato oposto de Tony Lip, em brilhante atuação de Viggo Mortensen, pobre, sempre envolvido em esquemas e pequenos delitos, vítima e opressor dos preconceitos sociais.

Detalhe: Tony é branco e Don Sherley é negro. Essa oposição absoluta de ambos os personagens é a base de toda a dinâmica do filme, que poderia ter dado muito certo ou muito errado. Deu muito certo.   

A viagem de ambos é guiada, ou ao menos auxiliada, por um livrinho verde, não à toa chamado de Green Book, que dá nome ao filme. Era um guia de “portos seguros” para negros transitarem pelo sul dos Estados Unidos, com indicação de hotéis, restaurantes e até estradas seguras para negros.

Pouco a pouco, as gritantes diferenças entre o negro erudito e o branco preconceituoso além de se tornarem absurdamente óbvias, passam a refletir o cenário geográfico e social enfrentado pela dupla. De pequenos atos, como não fornecer o instrumento ou as condições necessárias para a performance do músico, até os abusos mais físicos ou psicológicos.

Mas essa transição, é feita de forma sutil e delicada, até que se torne insustentável. É como a água que ferve aos poucos e acaba matando o animal dentro da panela, mas no longa é a alma que sofre. Essa é a parte dramática do filme, muito comparado à Conduzindo Miss Daisy e por outros mais atuais, como os Intocáveis (dos amigos, não dos gangsters).  

A direção é conduzida com algumas doses de comédia que ajudam a temperar o drama, criando deliciosas cenas como a cena do frango frito em Kentucky. Essa mistura foi tão bem feita que o filme foi considerado drama/comédia.

Muito bem recebido pela crítica, o filme teve uma boa dose de polêmicas durante sua trajetória, mas nada que não tenha sido relevado pela academia de cinema, uma vez que premiou o longa com o Oscar de melhor filme, em um ano que teve uma grande dispersão de prêmios. O curioso fato que é Mahershala Ali atuou no melhor filme e melhor animação, um verdadeiro pé quente.  

O filme é espetacular e muito melhor que os últimos ganhadores do mesmo prêmio, contudo parece que falta algo. As atuações principais são dignas de notas altas e um show à parte. A música e a fotografia mostram a qualidade da produção, e uma história que merecidamente precisava ser contada e consegue contextualizar com sutileza quão antiga é a questão de conflito racial para os americanos. Em um ano de muitos concorrentes com chances, a academia parece ter escolhido o filme que tocava mais fundo nos americanos e ao mesmo tempo o que trabalhava uma questão universal.

Continue lendo

Em Alta!

Copyright © 2018 | TV Prime | Um site do grupo i7 Network