in

Aquaman ri de si mesmo e diverte todas as idades

Warner

Aquaman sempre foi a piada da Liga da Justiça, fosse no desenho clássico da década de 80, fosse nos quadrinhos. O personagem era tão estigmatizado que virou piada até mesmo em The Big Bang Theory, quando quem perdesse teria que se vestir como o atlante.

O tempo verbal correto é Era, e isso graças ao carismático Jason Momoa e às mentes criativas por trás da produção dos novos filmes da DC. O Aquaman de Momoa é tão bom, que pode marcar a virada dos filmes da DC, começada pela Mulher Maravilha: curioso notar que nem Batman nem Superman estão por trás dessa mudança de perspectiva. Um ponto a menos para o “time Martha”. 

O filme do Aquaman é um passeio visual. Seja no farol onde começa o filme, ou em Atlantis, um misto de choque de neon de Tron com a opulência de Asgard, fato é que chegou-se a um conceito visual muito interessante, que inclusive transcende o palco central da trama, passando pela turística Sicília ou pelo árido Saara, o mar de areia.

Esse tipo de variedade de cenários acaba dando ao filme aquele ar de aventura da sessão da tarde. Longo, com mais de 2 horas de projeção, essa variedade ajuda a passar o tempo, aliado a um enredo bem escrito e bem conduzido por um grupo de atores interessante, que conta com a belíssima Amber Heard no papel de Mera, e a veterana Nicole Kidman fazendo o papel de Atlana, mãe do Homem Peixe, além de Patrick Wilson como o irmão, e William Dafoe como o conselheiro Vulko. 

  

Interessante notar que o filme se passa depois da Liga da Justiça, explorando o destaque obtido por Arthur, tanto na terra quanto no mar. E um filme que fortalece o herói, talvez começando a construção para um segundo filme da liga e um vilão ainda mais poderoso.

O filme conta ainda com uma discussão interessante sobre poluição e a forma como os homens tratam o mar, sem ser um filme necessariamente voltado para isso, mostrando que é possível casar uma mensagem sem abrir mão da ação, que temperada com um pouco de humor, deixa o filme bem divertido, ainda que por vezes confuso, pois ainda que a linha central da narrativa seja bem escrita, a condução parece um tour por outras obras do cinema: desde Jurassic Park, a Múmia, o Turista, Harry Potter e Rei Arthur.

A impressão é que o diretor James Wan, variando um pouco da temática do terror, resolveu beber de diversas fontes. O resultado final foi interessante, ainda que por vezes pareça difuso. 

Enfim, Aquaman é um filme ideal para as férias de verão, e certamente tem como seu maior mérito redimir um personagem com tanto potencial e com tanta força de origem, cuja personificação em Momoa deixou tudo muito mais interessante. Longa vida ao rei de Atlantis.

Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem. Críticas, dúvidas e sugestões: falecomobene@gmail.com

Next post

“Corpo Fechado” explora premissa interessante e conta com belas atuações

Resumo O Sétimo Guardião (22/01): León toma atitude inesperada