in

A Última Coisa Que Ele Queria mais chama atenção do que empolga

netflix
Publicidade

A Última Coisa que Ele Queria é um recente lançamento da Netflix que conta com atores de peso como Ben Affleck, Willam Dafoe e é protagonizado pela cada vez melhor Anne Hathaway. Anne é uma jornalista investigativa focada na America Central, e acaba sendo colocada na geladeira e forçada a seguir o comboio eleitoral nos Estados Unidos, até que seu pai, de envolvimento com pessoas obscuras, retorna à sua vida após o falecimento de sua mãe. Essa série de acontecimentos e seus desdobramentos é o mote principal do filme.  

O filme consegue ser atrativo mesmo sendo denso, como aliás filmes políticos e de jornalismo geralmente são. A narrativa entra em um certo grau de paranoia, seguindo o que acontece com a própria protagonista, que não sabe em quem confiar. A situação se agrava quando a vida pessoal se mistura com uma já caótica vida profissional e a protagonista se vê tomando escolhas no mínimo questionáveis.  

Publicidade

O ritmo é preciso, contudo a narrativa se perde em sí mesma em algum momento, ainda que pareça proposital, despistando o espectador senão da trama, mas ao menos do caminho a ser seguido, como se não houvesse decisão fácil. Outras interpretações remeterão à bagunça e ao caos que parecem emergir da direção e do roteiro baseado no livro homônimo. Dafoe é sempre um ator de mão cheia, e seu personagem confere um grau de honestidade a um malandro que sabe que não passa de escória e que vive à margem da sociedade.

Publicidade

Affleck demonstra intimidade com esse tipo de papel político, que já protagonizou tão bem em Argo (grande injustiça da academia), O Contador e A Soma de Todos os Medos. Em Última Coisa, Affleck mostra um viés hipnotizador e perigoso, como uma cobra, fazendo jus ao personagem. Já Anne, sempre entregue de corpo e alma ao papel, convence naquilo que o personagem precisa, deixando claro que o melhor do filme é, de longe seu casting e suas atuações.  

Publicidade

Obscuro em seu final, Última Coisa é aquele tipo de filme que conversa de forma mais intensa com os leitores do livro do que os espectadores do filme, e justamente por deixar o público em dúvida de algumas motivações, escolhas e do final em sí, acaba sendo um filme mediano que será esquecido sem maiores notas. Não que não seja um filme interessante.

Publicidade
Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.

Next post

Resumo Amor Sem Igual (26/02): Furacão quer Duplex longe das confusões de Poderosa

Morre cantor sertanejo após se afogar durante Carnaval e fãs se desesperam: ‘Que tristeza’