in

Altered Carbon volta mais intimista e filosófico em sua segunda temporada

Netflix
Publicidade

Altered Carbon chamou muita atenção em sua primeira temporada trazendo um mundo no qual a essência de cada ser, de forma simplificada a alma e as memórias, ficava armazenada em cartuchos, que poderiam ser inseridos em novos corpos, chamados de capas, trazendo assim a possibilidade de imortalidade, salvo se destruído o cartucho (e eventuais backups).

Publicidade

No primeiro ato, é explorada a tecnologia em todas suas potencialidades, e a frivolidade de vidas eternas, com as possibilidades de capas que permitem a exploração de todos os prazeres carnais aos extremo, auxiliados por dinheiro sem fim e por uma manipulação genética voltada aos gostos dos Matusaléns, como são chamados os milionários de vida prolongada. 

Publicidade

Por sua vez, a segunda temporada chega trazendo uma nova visão desse mundo, contrariando a regra da expansão da segunda temporada, que geralmente expande o universo criado na primeira temporada. Quebrada a expectativa de um segundo ato mais expansivo, Altered Carbon resolve ser mais intimista em sua continuação, e os dilemas morais ganham o espaço antes reservado ao narcisismo e a violência. Não que não haja violência na segunda temporada, mas ela é muito mais instrumental, um meio para um fim, do que um fim em si mesma.  

Um grande destaque da segunda temporada é Poe, o companheiro virtual de Tak, que às voltas com as consequências da primeira temporada, é confrontado com uma escolha que lhe faz pesar sua continuidade versus suas memórias. Afinal, o que faz uma vida são as experiências ou a função biológica em sí? Essa jornada de autoconhecimento de Poe traz uma carga emotiva de muita sensibilidade, o que realmente não se esperava de uma série tão visceral, provocando uma agradável surpresa, e de certa forma roubando a cena em bela atuação de Chris Corner. 

Publicidade

Se a jornada de Poe é por sí mesmo, a de Tak é por Quel, e o público tem a chance de conhecer novas capas do último emissário, que lhe deixa menos ostensivo e mais tático, em uma bela atuação de Anthony Mackie, que consegue emular os (mau) humores de Tak e até de mostrar outras personalidades quando necessário pelo contexto.

E Tak encontra um antigo sensei em Tanaseda, um dos fundadores de Harlan, personagem extremamente cativante e que serve de condão reflexivo para que Tak avalie seus caminhos e escolhas. Tak não é o herói nem os antagonistas são necessariamente os vilões, afastando a série de um maniqueísmo barato e mostrando a complexidade das personalidades e decisões. Todos tem suas agendas, e a bondade e maldade são relativizadas com frequência na habilidosa narração do segundo ato. 

Mais parecido com Blade Runner e as continuações de matrix do que consigo mesma, Altered Carbon consegue se reinventar e mostrar que a variedade de temas que a série pode explorar são quase tão numerosos como as capas no seu mundo inventado. Só precisa do cartucho certo.

Publicidade
Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.

Next post

Nova tatuagem de Mel Maia rende duras críticas: ‘Ela só tem 15 anos’

Saiba as previsões desta terça no Horóscopo do Amor de todos os signos (10)