in

Valdemiro Santiago é criticado por Chico Pinheiro após feijão contra Covid-19: ‘Cadê a polícia’

Redevida
Publicidade

Chico Pinheiro fala sobre Valdemiro Santiago e pergunta onde está a polícia. O pastor evangélico Valdemiro Santiago surpreendeu parte do público, após aparecer em um vídeo vendendo um suposto “feijão mágico”. O tal feijão teria poderes, segundo o pastor, até de curar doenças. Um deles é o coronavírus. 

O apresentador Chico Pinheiro foi uma das pessoas que fez questão de falar sobre a ação do religioso. Em um post feito no Twitter, o âncora do Bom Dia Brasil não perdoou Valdemiro Santiago e foi  duro ao falar do religioso, chegando até questionar onde estava a polícia, ao citar o código penal brasileiro.

Valdemiro Santiago é criticado por apresentador da Globo, que questiona onde está a polícia

“Cód. Penal : “Art. 171 – Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento”. Cadê a Polícia?”, questionou o apresentador do Bom Dia Brasil nas redes sociais. 

Publicidade
Publicidade

Veja abaixo a publicação do apresentador do ‘Bom Dia Brasil’, na qual ele cita o artigo 171 do código penal brasileiro para se referir ao pastor Valdemiro Santiago, uma das figuras mais polêmicas do país.

Nas redes sociais, muita gente falou sobre a situação e reclamou da postura de Valdemiro Santiago, especialmente em tempos de coronavírus, quando mais de mais de nove mil pessoas faleceram da doença. “Triste! Um pastor tentando se aproveitar do desespero alheio. Fim dos tempos”, disse um dos internautas ao comentar o assunto.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade
Avatar

Escrito por Fernando B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.

Next post

Famosos criticam Regina Duarte após ela falar sobre Ditadura: ‘Vergonha de você’

Regina Duarte chamou até seguranças durante barraco em entrevista para a CNN Brasil