in

Peaky Blinders explica O Poderoso Chefão para as novas gerações

netflix
Publicidade

Peaky Blinders é uma série britânica produzida pela BBC de Londres, e seu criador Steven Knight traz às telas a história dessa gangue de Birmigham que teria realmente existido no século passado, e tinha esse nome por conta das navalhas escondidas em seus chapéus. 

O seriado é protagonizado por Cillian Murphy, ator irlandês que ficou conhecido por seu Espantalho, na trilogia do Batman. Cillian, sempre muito competente em todos seus papéis, consegue se superar magistralmente naquele que é, até agora, seu papel da vida, ao interpretar Thommy Shelby, irmão do meio da família Shelby, que ao voltar da primeira guerra mundial, passa a dividir o comando das operações de proteção e pequenos roubos com a Tia Polly, verdadeira matriarca cigana que não tem medo de sujar as mãos. Os negócios seguiam o rumo normal até que uma descoberta muda como os Peaky Blinders poderão passar a ser conhecidos. 

Como acontece algumas vezes, seriados dramáticos precisam investir um tempo para construir o cenário e assim começar a desenvolver suas tramas. Esse artifício aconteceu com Breaking Bad, que demora três temporadas para engrenar. Por sorte, Peaky Blinders precisa de só uma, e seu estilo logo cativa o público. Violenta sem ser gore, a ambientação visual é um espetáculo à parte: a atmosfera esfumaçada das cidades industriais ao redor de Londres, combinado com o misticismo cigano, cria uma identidade visual única, e não raro as cenas se desenrolam ao meio das fábricas, com metal derretendo, chuva de faíscas e em câmera lenta. E os produtores sabem se valer do melhor da música britânica, de décadas à frente, para enraizar ainda mais a trama na alma bretã, misturando londrinos caucasianos com irlandeses, escoceses, ciganos e judeus. Ouvir Arctic Monkeys em meio a um plano de Thommy é simplesmente impagável. 

Publicidade
Publicidade

A cada temporada os desafios de Thommy e sua família crescem, e cada vez mais os desafios se tornam mais impossíveis, assim como os inimigos e as soluções dos Shelby. Se a série começa com Sam Neil como um inspetor ambicioso como contraparte de Thommy, a entrada de Tom Hardy, mais espetacular do que nunca, mostra o tamanho do acerto do casting e como esse ator é fantástico, na pele do judeu Alfie Simmons, certamente um dos melhores papéis da carreira de Tom, que gera momentos brilhantes entre ele e Cillian. Não bastasse isso, ainda entram Adrien Brody como um mafioso italiano e Sam Claffin como um político. Destaque para as caracterizações de povos e arquétipos, explorados à perfeição.  

Todo casting é perfeito, inclusive dos coadjuvantes, que ajudam a imprimir o ritmo certo a uma história de gângster, que parece atualizar o mito do poderoso chefão para as novas gerações, com Cillian merecendo a comparação com Al Pacino. Atualiza e homenageia sem copiar, até porque Michael Gray parece inspirado do outro Michael, o Corleone. E o melhor de tudo é ver Thommy negociando sua alma, capítulo à capítulo, sendo cirúrgico como um médico, e aterrador como um monstro, em todas as facetas de um personagem apaixonante e real. 

Se a série falha em algo é pela demora em se atualizar, dada a política de lançamento a cada dois anos da BBC, que podia sofrer um cutucão da Netflix para acelerar suas duas últimas temporadas nessa série que consegue ser a verdadeira herdeira de Breaking Bad e do Poderoso Chefão ao mesmo tempo. Brilhante e imperdível. Bravo.

Publicidade
Avatar

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.

Next post

Defesa de Rose Miriam polemiza e fala sobre possível traição de Gugu com gay

Resumo Chocolate com Pimenta (Viva) 19/05: Kaus pede para Sebastian voltar à Ventura