in

Resumo Êta Mundo Bom (13/07): Candinho tem sua morte decretada por Sandra

Globo
Publicidade

No capítulo de Êta Mundo Bom, na tela da Globo, nesta segunda-feira, 13 de julho, Sandra planeja matar Candinho.

Ainda no mesmo capítulo, Cunegundes confessa que nunca simpatizou com Candinho, fazendo Anastácia se revoltar com ela e expulsá-la de casa. Zé dos Porcos e Manuela comemoram as mudanças que está ocorrendo na fazenda.

Tobias promete ajudar Emma no preparo do jantar, fazendo os pratos que a mãe de Lauro gosta, assim verá que a estilista é a nora perfeita para ela. Diana exige que Diva vá embora de sua casa quanto antes, pois está dando vexame.

Publicidade
Publicidade

Anastácia agradece Eponina e Manuela por terem amado Candinho

Anastácia agradece Eponina e Manuela por terem cuidado de Candinho durante todo tempo que ele esteve morando na fazenda. Gerusa pressiona seu noivo e sua avó, alegando saber que sua doença é muito grave. Maria revela para Candinho que Filomena está esperando um filho dele.

Não acreditando que seja o pai da criança, Candinho vai atrás de Filomena, pedindo que ela diga quem é o pai do bebê. Filomena não responde, fazendo-o acreditar que seja de Ernesto. Sandra planeja acabar com a vida de Candinho no dia do casamento.

Candinho vai tirar satisfação com Ernesto

Candinho vai atrás de Ernesto, exigindo que ele vá falar com Filomena sobre o filho deles. Filomena se explica para Clarice, revelando o motivo de não ter falado a verdade para Candinho. Sandra confirma para Romeu que Mafalda foi embora.

Romeu ganha conselho inesperado de Pancrácio. Josias, Zé dos Porcos e Manuela comunicam para a família de Cunegundes que a fazenda deles foi tomada pelo banco de Inácio.

Publicidade
Avatar

Escrito por Rômulo NC

Ator, youtuber e redator, Rômulo N.C é formado pela casa de artes cênicas Recriarte e sempre atuou como escritor de diversos sites.

Next post

Totalmente Demais: Eliza vencerá etapa do concurso e Cassandra terá reação inusitada

Em vídeo, Mayra Cardi expõe ‘verdadeira face’ de Arthur Aguiar: ‘Perverso’