in

Quando Me Apaixono: Álvaro toma atitude extrema para salvar Rafael, que morre em suas mãos

SBT
Publicidade

Nos próximos capítulos de Quando Me Apaixono, no SBT, Rafael morrerá nas mãos de Álvaro, que ficará desolado.

O breve romance entre Rafael e Roberta terá consequências trágicas para todos. Desde que ficou sabendo que sua filha estava pretendendo se casar com o rapaz, Josefina (Rocío Banquells) se colocou contra o romance dos dois.

Disposta a acabar com o romance, ela irá à casa do genro, exigindo que ele termine tudo com sua filha, porém, as coisas acabam saindo do controle, levando Josefina a uma medida extrema, atirando contra Rafael.

Publicidade
Publicidade

Álvaro opera Rafael bêbado

A princípio, ela acreditará que o rapaz morreu. Matilde (Grettel Valdéz) será a responsável por encontrar o rapaz. Desesperada, ela mandará chamar o médico, enquanto implora para seu irmão de Jerônimo (Juan Soler) não morrer.

Rafael, no entanto, estará tão ruim, que mal conseguirá falar. Mesmo bêbado, Álvaro (Odiseo Bichir) não recusará fazer a cirurgia. Álvaro conseguirá remover a bala, mas não salvará a vida do rapaz, que acabará morrendo.

Josefina arma para parecer que Rafael se matou

Mais tarde, ao encontrarem a carta forjada por Josefina, todos acreditarão que o rapaz se matou por ter sido abandonado por sua amada. Para piorar a situação, Augusto (Lisardo Guarinos) descobrirá que Álvaro operou o rapaz bêbado.

Na intenção de limpar a barra do médico, Augusto fará de tudo para que a autópsia seja realizada, assim ninguém descobrirá o que realmente aconteceu. A cena ainda não tem data de exibição para ir ao ar. Quando Me Apaixono vai ao ar de segunda a sexta, após O Que a Vida Me Roubou.

Publicidade
Avatar

Escrito por Rômulo NC

Ator, youtuber e redator, Rômulo N.C é formado pela casa de artes cênicas Recriarte e sempre atuou como escritor de diversos sites.

Next post

Fátima Bernardes dá vexame no Ibope e tem menos audiência que novela mexicana do SBT

Ex-garota de programa, Andressa Urach relembra experiências nojentas: ‘Eu era podre’