in

Brigada com o filho, mãe de Nego do Borel vende quentinhas para sobreviver e enfrenta duras dificuldades

Instagram/Nego do Borel
Publicidade

Nego do Borel e sua mãe não tem uma relação muito boa. O funkeiro deixou de dar uma mesada que oferecia à matriarca mensalmente desde que ela engatou um relacionamento com o motoboy Alex Alves, há cerca de quatro anos. O artista é contra o novo relacionamento e estaria indignado com o fato da mulher largar o seu ex-padrasto para viver um novo amor. Diante disso, Roseli Viana começou a vender quentinhas para complementar a renda.

Mãe de Nego do Borel vende quentinhas para sobreviver

Informações apuradas pelo jornal Extra apontam que Roseli tem divulgado o seu serviço de quentinhas em grupos do Facebook de compra e venda da região de Curicica. Além de tirar a mesada da mãe, Nego do Borel a obrigou a deixar todas as redes sociais.

Roseli está com 44 anos e deixou a mansão em que morava com o filho para viver na companhia do namorado, em uma casa considerada simples em uma das comunidades da região de Curicica. Algo que deixou o funkeiro ainda mais irritado foi o fato da mãe ter ajudado financeiramente na reforma deste imóvel.

Publicidade
Publicidade

Alex Alves é um pouco mais velho do que Nego do Borel e trabalha como motoboy em frente a um mercado da região. Foi neste local onde conheceu Roseli Viana e rapidamente engataram um relacionamento.

Pai de Nego do Borel faz parte de sua equipe

Já o pai do funkeiro, que tinha voltado a trabalhar como flanelinha nas ruas atrás do Shopping Tijuca, hoje goza de uma certa tranquilidade financeira por conta do filho. Nego do Borel o chamou para integrar a sua equipe de produção de shows, e hoje os dois trabalham juntos.

Publicidade
Avatar

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.

Next post

Resumo Jesus (31/07): possuída pelo demônio, Maria Madalena é levada para a cadeia

Longe da TV, como vivem hoje os palhaços Patati Patatá é de cortar o coração; circos fechados e demissões