in

Sons of Anarchy se consagra como uma das melhores séries da atualidade

Publicidade

Sons of Anarchy é uma daquelas séries que o público não vê chegando, que quase passa despercebida, afinal não contou com muita publicidade.

Muitos seriados e tantos outros filmes fazem da violência o seu fio narrativo ou o seu pano de fundo, mas poucos conseguiram demonstrar de maneira tão didática e clara como o ciclo da violência se perpetua, como uma cobra que come o próprio rabo, de forma que fim e começo, causa e consequência se tornam um só. E esse é o grande mérito de Sons of Anarchy.

Publicidade

A história de Samcro, como o grupo é chamado, faz da vida de Jax Teller o arco narrativo para contar a trajetória da gangue de motoqueiros – ou MC – em um dos seus momentos mais relevantes. Jax, protagonizado com maestria por Charlie Hunan, faz o papel da sua vida, sendo o filho de um dos fundadores, então falecido. Outro fundador, Clay, junta a sua mãe, Gemma, em uma daquelas que se mostra como uma das muitas famílias disfuncionais do enredo, que leva à percepção final que o MC é a verdadeira família de todos eles.

Jax é um motoqueiro que vive o MC da forma que seu pai, John, concebia: um clube de amantes da vida sobre duas rodas, que faziam bicos à margem da Lei para se manter, o que ocasionalmente provocava alguma confusão de maior ou menor tamanho, sem contudo serem grandes foras da lei. Tudo muda quando Jax encontra as memórias de John, que descrevem como o clube está se deteriorando em princípios e se metendo com o que não deveria. Isso lança Jax em uma jornada na busca por respostas, que o coloca em rota de colisão com membros mais antigos e até com sua própria família.

Se por um lado Joseph Garder popularizou a jornada do herói, Jax trilha o caminho oposto, no qual compromete não somente aquilo em que acredita como também arrasta junto outros que lutavam para sair como seu melhor amigo Opie, seu amor Tara, e todos com quem se importa. Ainda que não fosse um grande exemplo de correção, Jax lembra o que ocorre com Mr. White, e porque não com Dom Corleone de Paccino, que viviam à margem da violência mas que acabam atraídos por ela para nunca mais se desvencilhar. O que liga esses personagens tão diferentes é que eles lançam mão da violência como um recurso e não um fim em si mesmo, motivados por algo justo ou justificável, até o momento no qual o motivo se torna menor, obsoleto ou sem sentido. E tudo que resta é a violência, nua e crua.

E a violência é o tema e personagem central quando a trama se aprofunda, tanto a violência quanto a psicológica, seja explorando os antigos membros presos (Otto, interpretado pelo diretor e roteirista Kurt Sutter, que antes havia passado por the shield ) como pelas Old Ladies, apelido meio carinhoso meio dominador que recebem as esposas e companheiras dos membros do clube e dos quais se destaca a rainha dos motoqueiros, Gemma, uma tragédia grega de uma complexidade digna dos melhores personagens e que provoca amor e ódio (e tantas outras emoções) nas mesmas proporções.

Poucos personagens são rasos ou óbvios, e se assim parecem é por falta de tempo de tela ou para não adensar demais a trama. Sempre há um motivo, sempre há um porquê, por mais ignóbil que seja. E isso vale para amigos, inimigos, aliados e nemesis, seja qual o papel cada um ocupe em determinado momento.

A inteligência e o brilhantismo de Jax crescem à medida que caem seus pudores e limites morais e essa transformação do personagem fica muito bem caracterizada e traz um dos melhores momentos da série, momentos esses sempre pautados por uma misteriosa personagem que aparece antes de um grande evento.

Muito bem roteirizada, a história é contada sem excesso nem falta, emocionando com seus belos personagens e suas humanas tragédias, tudo conduzindo para um final perfeitamente construído e dolorosamente inescapável, momento ornado de poética beleza. E para os fans, além do spin off da gangue rival, fica a esperança de ver a formação do grupo em um necessário prequel. E não é porque gostos violentos têm fins violentos que SoA precisa acabar, apesar da garantia de viver na memória dos fans.

Publicidade
Publicidade
Bene!

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.