in

Campeã do BBB6, Mara Viana recebe em casa colunista e conta como sua vida mudou após reality na Globo

Alessandro Lo-Bianco
Publicidade

O Big Brother Brasil definitivamente pode ser a vitória ou a derrocada na vida de um participante. Mas no caso da campeã da sexta edição, Mara Viana, fez sua vida mudar para melhor de ponta a cabeça. Mara recebeu para uma entrevista este colunista em sua casa na Bahia, na cidade de Porto Seguro, no dia de Natal, ocasião em que contou as transformações que passou após ser premiada com R$ 1 milhão na casa mais vigiada do Brasil.

Aos 48 anos, ela conseguiu triplicar o milhão obtido por meio da vitória no programa. Para isso, a baiana investiu em imóveis e atualmente organiza um alto empreendimento: ela construiu um prédio após demolir a pousada que havia comprado a 10 minutos da praia. O local será inaugurado ainda nesse início do ano e funcionará como um centro comercial. Mas será nele também que a eterna sister vai continuar realizando o sonho de ajudar a transformar a vida de pessoas.

Publicidade
Publicidade

A ex-BBB, que entrou na casa como técnica de enfermagem e hoje cursa uma faculdade de psicologia vai doar o terceiro andar do prédio para uma instituição que ajuda crianças carentes e que ainda não tinha um espaço para realizar as ações do projeto. E mais ainda: enquanto estiverem utilizando o último andar do espaço comercial da campeã do BBB, Mara estará construindo a futura sede do projeto para presentear a organização. Um sonho que parecia bem distante daquele que Mara carregou para dentro da casa, quando tinha apenas a intenção de comprar um carro para ajudar a filha – na época com cinco anos – a se locomover até a escola. Hoje a jovem cursa a faculdade de Direito e sonha em ser juíza de família. Confira a entrevista!

– Como foi ser campeã do BBB6?

Foi maravilhoso, né! Ser campeã daquele programa é muito difícil e foi uma honra muito grande.

– O que mudou? Você ganhou R$ 1 milhão. O que você fez com todo esse dinheiro?

Quando recebi o prêmio fui cuidar logo da minha filha e ver um lugar pra ficar. Comprar uma casa! Comprei então esse imóvel. Essa casa aqui tem 15 anos.

– Você empreendeu bastante. Teve uma pousada mas demoliu para apostar em outro segmento. O que você está aprontando agora depois de 15 anos?

Eu comprei imóveis com o dinheiro. Havia comprado a pousada e agora demoli para construir um prédio de três andares. O último andar terá um projeto para mulheres que saem para trabalhar e não têm com quem deixar seus filhos na comunidade. Então, com isso, vamos cuidar dessas crianças que muitas vezes ficam sozinhas em casa e com a cabeça desocupada. É um projeto de canto muito bacana, que ensina as crianças a cantar. Como esse projeto não tem sede ainda e fica muito difícil para eles pagarem um aluguel, eu resolvi doar o espaço do terceiro andar do meu prédio para essa instituição. Em seguida, vou ajudar a construir a sede dela.

– Já tem muita gente aguardando esse espaço ficar pronto. Eu dei uma volta na cidade e diversas mães comentam ansiosas já fazendo um burburinho. Mas, ainda sobre o dinheiro, deu pra juntar e triplicar mesmo?

Eu não perdi um centavo. Pelo contrário, eu só ganhei! Eu acho que tripliquei meu patrimônio. E por isso ajudo as pessoas. É um retribuição e gratidão pelo que o meu povo fez por mim perdendo seu tempo e votando durante o programa. Quando deixei a casa, escutei relato de pessoas que deixaram de comprar comida para pagar as ligações e votar em mim. Por isso eu sempre quis honrar tudo isso devolvendo para a população tudo o que fizeram por mim.

– E como foi voltar para casa campeã do Big Brother Brasil?

Foi uma honra trazer esse prêmio para minha cidade! Foi uma honra para os meus conterrâneos! Fui recebida de braços abertos. Sou recebida até hoje! Acho que deu pra você sentir aqui na cidade que sou muito querida, graças a Deus. E, dentro disso tudo, ainda sei que consegui continuar sendo uma pessoa normal.

– Você não mudou a sua rotina na cidade, não foi necessário?

Não foi necessário mudar a rotina nem meus hábitos. Não saí da cidade. Continuei com as mesmas amizades. E isso foi muito bom pra mim. Sempre fui muito bem acolhida aqui e acho, inclusive, que esse foi meu grande acerto.

– E você tem visto as outras edições, você continua assistindo o programa?

Sim, assisto todo ano, até porque sou muito grata ao que o BBB fez por mim!

Que conselho você deixa como campeã do BBB6 para aqueles que desejam viver esse sonho? O que é o principal, Mara?

Hoje o povo quer ver coisa boa, uma pessoa positiva, com o pensamento elevado para as coisas boas. Essas pessoas querem uma mensagem de otimismo, de fé, de perseverança e de garra. É isso que a gente quer ver aqui fora do jogo. 

– O que foi mais difícil dentro da casa?

Ficar longe da minha filha foi o mais difícil.

– E no jogo?

Conseguir dobrar aqueles colegas (risos). Conseguir dobrar a turma para não me levarem para o paredão foi bem difícil.

– O que mudou na Mara intimamente, dentro do coração. O que você deixou na casa que você não trouxe para fora e o que veio desse jogo com você?

O que eu não trouxe dentro da casa pra minha vida foi a disputa de um jogo. A experiência e o aprendizado de que não vale tudo para ganhar um jogo. E o que a casa deixou em mim para sempre foi uma lição. De que valeu a pena ficar longe da minha família, sofrer essa saudade para lutar por algo que eu queria muito consegui. Quando ganhei o hoje e quando olho o que passou em minha vida, consigo agora ver uma pessoa totalmente mudada, uma pessoa forte, totalmente diferente daquela Mara que eu era.

– O que a Mara vê ou espera ver para 2021?

Paz! Que essa vacina chegue e que ela elimine esse vírus, e que a gente possa voltar a viver a vida que a gente tinha antes. É isso que eu quero e espero.

– Que lição você tira dessa pandemia?

Que a gente tem que dar a valor a tudo, valor para viver a vida. Que a gente deixa muitas vezes de viver por conta de bobagem, chateação por qualquer coisa. Observo que a gente não tem que estar pensando apenas em coisas ruins, mas pensando sempre em coisas boas e que devemos sempre viver como o último dia das nossas vidas. A gente nunca sabe o dia de amanhã. A gente não esperava uma pandemia e aconteceu. Mas eu tiro isso como uma coisa positiva, porque o mundo entendeu que ela veio para o pobre, para o rico, para o feio, para o bonito, veio para todo mundo! Então a gente pensa: somos todos iguais, estamos todos no mesmo barco, e vamos ver o que isso vai trazer de bom para o mundo.

– Alguma amizade da casa ficou até hoje?

Quando eu amo, eu não amo de mentira, eu amo de verdade. Eu amo a Mariana, pois ela foi minha parceira dentro da casa. Eu não tenho muito contato com ela atualmente, mas é uma pessoa que eu gosto demais. E gosto também do Augustinho, que entrou dentro da casa comigo. Pena que ele não conseguiu ficar, que não fomos os três para a final. Primeiro, segundo e terceiro lugar. Seria o sonho perfeito.

– Para encerrar Mara, deixe uma mensagem para todos os leitores da coluna!

Desejo um 2021 cheio de paz para todos, com muita tranquilidade, amor no coração, e que a gente possa ser feliz de verdade daqui pra frente.

Publicidade
Publicidade
Alessandro Lo-Bianco

Escrito por Alessandro Lo-Bianco

Passou pelas redações da BandNews, Editora Abril, Jornal O Dia, Rádio CBN, Jornal O Globo e RecordTV. Autor de 11 livros, é atualmente colunista do programa A Tarde é Sua da Rede TV! Tem nove prêmios de Jornalismo, dois cachorros e é pai de menina.