in

Polícia faz importante descoberta sobre caso de morte de Passim, assessor de Leonardo, e detalhes vem à tona

Redes Sociais/Globo
Publicidade

O caso de morte de Nilton Rodrigues da Silva Passini, popularmente conhecido como “Passim” causou forte comoção no país. Amigo e assessor de Leonardo há cerca de 30 anos, ele acabou sendo encontrado sem vida em uma suíte da fazenda Talismã, de propriedade do sertanejo, em Goiás, no dia 4 de fevereiro.

A principal linha de investigação da polícia para o caso é que Passim foi a óbito após dois disparos acidentais de arma de fogo. Nesta quinta-feira (11), o portal UOL obteve com exclusividade informações importantes sobre o inquérito do caso.

Segundo as investigações da Polícia Civil de Goiás, a arma encontrada ao lado do corpo de Passim não estava legalizada. Além disso, o assessor do cantor Leonardo não tinha porte ou posse para armas de fogo.

Publicidade
Publicidade

As investigações que estão em curso seguem apontando para uma morte por dois tiros acidentais, durante o manuseio da arma. Um tiro atingiu o punho esquerdo de Passim, e o outro projétil acertou a perna esquerda próximo ao joelho. 

Não há um prazo fixado para a conclusão das investigações do inquérito. Nos últimos dias, a Polícia Civil ouviu formalmente três pessoas que estavam na fazenda no dia do ocorrido. As autoridades ainda aguardam o recebimento dos laudos periciais definitivos da Polícia Técnico Científica, que deve apontar como se deu a morte do assessor. 

Os tiros que vitimaram Passim foram efetuados por uma Glock, calibre 380. Em sites especializados na venda de armas, o modelo custa entre R$ 8 mil e R$ 9 mil. Semiautomática, a pistola pesa apenas 640 gramas. 

Homenagens

A morte de Passim causou uma forte comoção nacional, principalmente no meio sertanejo. Bastante querido não apenas por Leonardo e família, o assessor recebeu inúmeras homenagens de outros nomes conhecidos da música, como Zezé Di Camargo e Luciano e Gusttavo Lima.

Publicidade
Publicidade